Determinação da tensão superficial

Com as tintas de teste, a energia superficial (ES) / tensão superficial (TS) pode ser determinada por sólidos de plástico, metal, vidro, cerâmica e outros. Em particular, a possibilidade de adesão das superfícies para impressão, colagem, pintura, etc., deve ser determinada com base no padrão de humidificação.

A determinação da tensão superficial ocorre ao aplicar as tintas de teste sobre as superfícies a serem testadas; como um traço de poucos centímetros de comprimento e ao observar o comportamento do traço da tinta

Se o traço contrair no intervalo de 2 ou 4 segundos, dependendo da especificação da tinta, a TS (tensão superficial) da área de teste será menor do que a da tinta de teste.

Por outro lado, a divergência da marca do traço mostraria que a TS da tinta aplicada é menor do que a da superfície.

Se o traço permanecer inalterado dentro do período de observação, o valor da TS foi atingido de forma precisa ou ficou ligeiramente mais alto.

Determinação da tensão superficial

No seguinte exemplo de aplicação, o teste é feito com a tinta de teste PINK a partir de garrafas de 10 ml com cotonetes. Para cada utilização pegue num novo cotonete.

Neste exemplo de aplicação, a tensão superficial no plástico PE preto é testada com a caneta de teste PINK 38 Jumbo.

Limpeza de materiais

Os termos limpeza e pureza de materiais requerem uma definição mais detalhada. Uma vez que os materiais, tanto na forma de peças moldadas como de películas, estão presentes na sua superfície, o termo limpeza é adequado, uma vez que a pureza dos materiais pode referir-se à construção, isto é, também à estrutura interna, de um corpo inteiro.

A contaminação de materiais pode ter várias causas e assumir muitas formas diferentes. Deve ser considerada, primeiramente, a contaminação de partículas, bem como a contaminação de películas. A primeira está presente como pontos individuais e é disposta de forma irregular e em intervalos.

A contaminação de película, por outro lado, cobre as superfícies de forma total ou parcial e também pode, se for limpa, ser descrita como pura, estando sujeita a uma definição correspondente, por exemplo, tensão superficial/energia superficial.

No entanto, não pode referir-se à estrutura interna da peça, que só pode ser descrita pela pureza, na melhor das hipóteses. Uma vez que são as superfícies que estão sujeitas a processamento posterior, os estados de limpeza devem também ser definidos, o que é possível em termos gerais com o termo “tensão superficial”.


Dois tipos de procedimentos de ensaio complementam-se um ao outro

O processamento diz respeito, por exemplo, à impressão, pintura e colagem. Como solução simples, os métodos para tal são ensaios de superfície com tintas de teste e medição do ângulo de contacto. O primeiro é fácil de manusear e, como tal, orientado para a prática, uma vez que a tinta pode ser aplicada nas superfícies de ensaio sem qualquer problema durante os processos de produção. O último requer muito equipamento. Pode exibir os componentes de tensão superficial separadamente de forma polarizada e dispersa.

O ensaio de tinta de teste mostra apenas a soma dos dois valores, que normalmente é suficiente para uma avaliação das superfícies. Ambos os métodos não podem ser aplicados sem contacto ou continuamente. O último significa que nos processos de fabrico, como é o caso das películas em particular, as medições só podem ser efetuadas no estado de repouso, ou seja, não em cintas em funcionamento.

Em casos excecionais, uma medição só poderia ser feita a uma velocidade muito baixa. Os termos “limpeza” e “pureza” podem ser utilizados opcionalmente, sendo a “limpeza” sempre aplicável apenas a superfícies. No entanto, é recomendável não os utilizar misturados, uma vez que tal pode provocar irritações.


Pré-tratamento com aumento da tensão superficial

O termo pré-tratamento é tradicionalmente usado para se referir à limpeza de superfícies com meios mecânicos, especialmente a lavagem com ou sem solventes. O pré-tratamento tem sido utilizado há várias décadas também com tratamento físico através de descarga de corona, plasma e chama, em que as superfícies são modificadas por ação elétrica de tal forma que as suas secções polares são significativamente aumentadas, aumentando assim a tensão superficial e melhorando consideravelmente a aderência.

Por exemplo, os plásticos feitos de poliolefinas, cujos valores naturais de tensão superficial são de cerca de 30 mN/m, podem ser levados com relativa facilidade a valores superiores a 45 mN/m, o que proporciona valores de aderência muito bons para impressão, colagem e pintura. Estes valores nunca podem ser alcançados através dos métodos originais de limpeza, embora se deva notar que um pré-tratamento viável com os métodos físicos requer normalmente uma pré-limpeza mecânica.

Isto aplica-se especialmente a superfícies metálicas contaminadas, por exemplo, com óleos que são utilizados no fabrico das películas ou das peças moldadas.